domingo, 19 de fevereiro de 2012

Crônica da saudade em preto e branco

Valdomiro e Claudiomiro Sorriso (eu aos 4 anos)

Me peguei saudosista a olhar velhas fotos amareladas com o tempo e cheirando lembranças.
Quando vi, era tarde demais para voltar daquela viagem ao lugar chamado saudade.
Em cada retrato, a maioria sem cor, histórias contidas. Incrível, mesmo que o clic tenha sido de momentos bons e especiais, rever velhas fotos traz um misto de dor e tristeza.
Sim, porque ao lembrarmos do tempo que não volta mais – mesmo que tentamos trazê-lo de volta – nos deparamos com uma verdade: sentir saudade dói. E é uma dor que machuca.
Pois bem, me peguei saudosista, e viajei. Aliás, retornei a lugares que nunca estive e com pessoas que nunca as vi. Bacana isto, não? Seus nomes ali atrás, apontados por um membro da família, que quis imortalizar tal momento. Tios, bisavô, primos, alguns desconhecidos, um encontro, uma festa, um momento, que parece ter sido especial.
Que bacana a fotografia. Que mágica é esta de eternizar no tempo um instante como este?
E eu, ali, saudosista demais. Alguém da família voltando da guerra. Quem sabe com tantas histórias para contar. Outro, segurando um diploma. Um sonho realizado talvez, com tantos esforços. Uma rua estreita, precária, assim como aquelas pequenas casas, chamadas de lar.
Gente sorrindo, gente vibrando, festejando a vida. Eis um violeiro, um cantador, a fazer serenata. Olhando a foto parece que ouço a canção: ‘que beijinho doce, que ela tem. Depois que beijei ela...”.
Me peguei saudosista a olhar velhas fotos amareladas com o tempo e cheirando lembranças.
Lembrança de um tempo, de alguém, de uma vida, de uma história. Aliás, quantas histórias.
E em pensar que este jovem, com olhar sorridente e cheio de luz um dia casara, constituira família, e teve filhos. E um deles aqui, a olhar velhas fotos.
Ah, a saudade. De vez em quando bate no peito e, sem pedir licença ali se abriga. Mas que bom tê-la aqui a nos visitar. Traz consigo a certeza de que tudo vira passado. E que as lembranças fazem parte da caminhada.
Eis-me aqui, saudosista, não triste. Querendo viajar no tempo e rever os momentos, vividos ou não. Só para poder dizer na volta, o quanto é importante viver intensamente o hoje, lutando, conquistando, amando, e sendo amado, pois, afinal, um dia, tudo ficará presente no ontem, para relembrarmos.
Registramos pois nossa vida, na lembrança e na fotografia, agora postadas em álbuns digitais, com todas as cores e formatos.
Vivamos então.  

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Educação de luto!

Um homem sábio fazia um passeio pela praia, ao alvorecer. Ao longe, avistou um rapaz que parecia dançar ao longo das ondas. Ao se aproximar, percebeu que ele pegava estrelas do mar na areia e as atirava suavemente de volta à água. Então perguntou: - O que está fazendo?
Eis que o garoto respondeu: - O sol está subindo e a maré baixando; se eu não as devolver ao mar, irão morrer.
- Mas, meu caro jovem, há quilômetros de praias cobertas de estrelas do mar... Você não vai conseguir fazer qualquer diferença..
O jovem curvou-se, pegou mais uma estrela do mar e atirou-a de volta à água, além da arrebentação das ondas e retrucou: - Fiz diferença para essa aí.
Separei tal parábola, meus caros, na noite de quarta-feira, para trazer neste espaço. Lembro de tê-la usada em minha turma de catequese, como forma de reflexão, sobre a importância de nossas atitudes diante da vida, e como nossos atos são capazes de fazer a diferença na vida de quem nos cerca – e em nossas próprias vidas.
Este seria o tema da reflexão neste espaço. Esta seria a linha que iria traçar para este habitual e agradável contato que tenho com os leitores do Jornal Noroeste semanalmente e com quem me acompanha em meu blog Das Coisas que Vi.
E o seu teor ficou mais presente, após a notícia que chegara à redação ainda na manhã desta quinta-feira. A morte da querida amiga Odete Sparemberger. A partir de uma ligação recebida, a certeza: sua alegria, seu astral, e sua disposição para o trabalho e para a vida, passaria a ficar apenas na memória. A diretora da escola Santos Dumont partira. Não vencera o câncer, apesar de lutar tanto.
Fica a saudade.
Odete foi sim, como o garoto da parábola. Um ser iluminado, que tinha a certeza de que era possível fazer a diferença na vida das pessoas.
Educadora em toda a concepção da palavra, ela agiu como tal.
Com seu carisma, a professora foi eleita em 2009, diretora do Poli. Fui pai de aluno na oportunidade e lembro da mobilização em torno do seu nome. O carinho dos alunos para com a 'profe' era visível e 'emblemático'. Ela tinha sonhos, propostas e desejo de realização. E conseguiu dar passos importantes. Tudo, em prol da educação.
Nos encontros, reuniões de pais e atividades, gostava do contato com a família. Tratava os alunos pelo nome e sempre tinha uma palavra de motivação, se o assunto dizia respeito às notas no boletim.
Odete, como a jogar estrelas do mar de volta à água, incentivava os adolescentes a seguir, a aprender, e assim, fazia a diferença a cada um. A recompensa? Ah, sim, o sorriso no rosto e vibração    dos alunos a cada formatura, a cada vitória, a cada conquista. Fato que fazia questão de compartilhar com o grupo.
Seus últimos dias entre nós foram de dor e sofrimento não só para ela, mas também para os próximos, os amigos, os colegas e a família. Ah, a família, um bem precioso, da qual ela sempre primou, agora chora seu adeus. Aliás, todos nós.
Perdemos uma amiga, um ser humano exemplar, uma educadora. Há um vazio, uma dor que não quer calar.
É de Jorge Trevisol, a canção que a mim é uma filosofia de vida. E é com um trecho desta canção que tomo a liberdade para dizer, sem medo de errar: Odete, enquanto esteve entre nós, agiu assim:   

“O que eu sei a respeito da vida, é que um dia ela vai perguntar: o que é que eu fiz com meus sonhos, e qual foi o meu jeito de amar? O que é que deixei para as pessoas, que no mundo vão continuar? Para que eu não tenha vivido à toa, e que não seja tarde demais....”